Privados investem 200 milhões para construir 800 casas em Torres Vedras (com video)

A LeapAssets apresentou sexta-feira o núcleo de apartamentos que marca o arranque do projeto de desenvolvimento urbano Portela da Villa, em Torres Vedras, que prevê a construção de 800 fogos, num investimento privado de 200 milhões de euros.

Localizada a cinco minutos de Torres Vedras e a apenas a trinta de Lisboa, a localização privilegiada é um dos trunfos da Portela da Villa, situada na saída da A8, uma zona com excelentes acessos viários quer a Lisboa quer a outros pontos da região Oeste e de todo o país.

A oferta inicial é constituída por dezasseis unidades de tipologias T2 e T3, com áreas entre os 74 m2 e os 138 m2, às quais se somam generosas varandas e terraços, que no caso das tipologias de maior dimensão poderão contemplar espaços adicionais de 40 m2. Estes fogos entram agora na fase de pré reserva comercial e chegarão ao mercado com preços a partir de 240 mil euros.

A revitalização desta urbanização estrutural em Torres Vedras prevê a fixação de 3.000 residentes, num projeto que engloba ainda áreas de comércio e serviços, bem como uma envolvente com valências de socialização, lazer, desporto, conveniência e extensas áreas verdes.

Em termos de infraestruturas de apoio, estão previstas várias soluções para criar uma experiência de vida mais positiva, com um ambiente de natureza e extensos espaços verdes, onde é possível socializar em família ou com outros residentes. Entre as valências que o empreendimento planeia disponibilizar incluem-se jardim público com quiosque e esplanada, zonas de lazer e bem-estar como pista de fitness, uma horta comunitária e uma área de barbecue e piquenique. As comodidades de conveniência previstas incluem áreas de apoio para animais de estimação, tratamento dos resíduos e mobilidade.

Complementarmente a esta envolvente, que promove o sentido de comunidade, a Portela da Villa dispõe, no perímetro mais imediato, de serviços para dar resposta às necessidades funcionais das famílias. Entre estas, a Escola Internacional de Torres Vedras, com oferta educativa que abrange desde o pré-escolar ao ensino secundário e um projeto pedagógico de elevada qualidade que conjuga os currículos nacional e internacional.

Georges Bou Jaoude, administrador da LeapAssets, a empresa que adquiriu os 119 lotes disponíveis e agora dinamiza o projeto, assumindo a gestão da promoção deste primeiro edifício, explicou “que este é o pontapé de saída para a criação de uma das mais importantes soluções para a crise habitacional que Portugal enfrenta. É urgente disponibilizar casas o preços ajustados aos rendimentos das famílias e que, simultaneamente, essas casas proporcionem uma boa qualidade de vida em termos de conforto, segurança, sustentabilidade e mobilidade”.

Para o responsável da empresa, “é justo que as famílias portuguesas e os jovens em início de vido possam ter uma casa nova de qualidade, garantindo estas condições e que isso não implique prescindirem da proximidade a centros urbanos importantes. Acreditamos que Torres Vedras incorpora todos estes atributos, conjugando urbanidade e conveniência num raio de 30 minutos de distância de Lisboa, e que o Portela da Villa, na forma como está a ser repensada para o futuro, vai transformar esta região num dos destinos residenciais mais apetecíveis em alternativa a Lisboa”.

Neste momento em fase final do projeto de arquitetura, os apartamentos distinguem-se pelas áreas generosas, beneficiando também de excelente luz natural, além de disporem de uma organização funcional flexível e adequada aos requisitos da vida contemporânea.

Os equipamentos de qualidade, materiais sustentáveis e uma forte aposta na eficiência energética nos sistemas de conforto e gestão da casa são outros trunfos destes apartamentos.

Além destas novas unidades, estão já em construção e em fase de comercialização duas moradias em banda, com áreas interiores em torno dos 280 m2, ambas integrando piscina e jardim privado.

“Estes primeiros projetos são a montra ideal da nossa visão para a Portela da Villa”, disse Georges Bou Jaoude, adiantando que a LeapAssets quer “disponibilizar uma solução habitacional para as famílias e jovens que não consuma mais do que a fatia do seu rendimento aconselhado para satisfazer as necessidades de habitação, sem que isso implique prescindir do seu bem-estar, da proximidade a serviços, educação, comércio e cultura, e do acesso a uma casa de qualidade. A Portela da Villa personifica esta visão, ao mesmo tempo criando uma comunidade integrada, com preocupações de sustentabilidade na melhor localização da área de influência de Lisboa, Torres Vedras”.

Para o administrador da LeapAssets, “Torres Vedras é uma das zonas mais promissoras para a expansão residencial de Lisboa face à pressão que se faz sentir na capital e na sua primeira coroa. Conjuga bons acessos e proximidade a uma capital europeia, com um estilo de vida de uma cidade, bem servido de serviços, comércio, saúde e ensino, cultura e lazer. É uma cidade perto da praia e tranquila, mas simultaneamente muito virada para o futuro o nível de ambiente e tecnologia, além de estar empenhada em melhorar a sua conectividade em termos de mobilidade e ligações de transportes”.

Para a região está previsto um reforço do investimento público nas áreas de acessos e mobilidade, incluindo a modernização e eletrificação da linha ferroviária do Oeste, cuja primeira fase de obras prevê a ligação entre Sintra e Torres Vedras. No âmbito dos acessos rodoviários, está previsto um novo traçado da variante de ligação da A8, que numa fase inicial vai estar ligada à zona industrial das Palhagueiras e que poderá ser prolongado até Santa Cruz.

https://youtu.be/tVpr4-36sbE

Leapassets planeia reforçar investimento em Torres Vedras

Configurando o maior projeto da LeapAssets em Torres Vedras, a Portela da Villa não é, contudo, a estreia da empresa nesta região, onde o primeiro investimento foi no setor da educação, com a aquisição da Escola Internacional de Torres Vedras.

A LeapAssets prevê agora reforçar a sua presença neste território, considerando novos investimentos na área de educação bem como oportunidades na área de hospitality, particularmente a especializada em residências sénior.

Para Georges Bou Jaoude “qualquer um dos segmentos em questão — educação, residências sénior ou habitação — é bastante promissor no Oeste, uma região próxima de Lisboa, onde as pessoas podem viver com tranquilidade, segurança, um estilo de vida saudável e soluções de habitação, incluindo de residências assistidas, de elevada qualidade e com a preocupação de não exceder o rendimento, sem ter que desistir de tudo que uma capital europeia cosmopolita pode oferecer”.

Em termos de perspetivas para os próximos anos, a LeapAssets pretende também manter-se ativa em Lisboa, concentrando a sua atuação na capital na área de hospitality, focada em hotelaria, e na área da habitação.

No que concerne o segmento de hotelaria, a estratégia inclui quer desenvolver o imobiliário hoteleiro quer assegurar a operação das unidades promovidas. É o caso do Hotel Alegria, em plena Praça da Alegria, no coração de Lisboa, que será expandido em breve, com novos espaços a nascer naquela praça. No segmento de habitação, a empresa pretende concluir os investimentos já iniciados em Lisboa, locados em projetos de menor dimensão e para um alvo premium, com localizações centrais na zona circundante da Avenida da Liberdade, Marvila e Beato.

Fundada em 2020, a Leap Assets é uma empresa de consultoria e gestão de investimentos sediada em Lisboa. Através do seu profundo conhecimento do mercado imobiliário e de outros sectores especializados, disponibiliza um aconselhamento personalizado e de elevada qualidade a uma carteira de investidores, tendo como um dos seus objetivos atrair investimento direto estrangeiro em Portugal.

Apesar da empresa ter sido estabelecida em 2020, o administrador e um dos sócios fundadores, Georges Bou Jaoude, iniciou o seu percurso de investimento em Portugal em 2015, tanto no setor residencial como no setor hoteleiro. Assim, foi criada a LeapAssets, empresa que gere ativamente, tanto a nível financeiro como operacional, uma carteira de ativos concluídos ou em desenvolvimento em Lisboa e Torres Vedras.

Em Lisboa, contabiliza atualmente mais de uma dezena de ativos geridos, em operação ou em desenvolvimento nas áreas de habitação e hotelaria, situados em zonas privilegiadas como a envolvente da Avenida da Liberdade e os bairros tradicionais de Marvila e Beato.